29 de setembro de 2009

O que é mochileiro?
São pessoas que viajam de forma independente, sem a utilização de agências emissivas, portanto, planejam todas as etapas da viagem e tem total liberdade para alterar o itinerário em qualquer momento da viagem.
Porque viajar assim?
Acima de tudo, porque é uma viagem ecônomica. E economizar durante a viagem é uma característica marcante do público. Esticar o dinheiro para esticar a viagem é quase um lema. Não se trata de abrir mão do conforto (embora o faça com muita naturalidade), mas sim de pagar um preço justo pelo produto e/ou serviço que irá consumir.
Muitas pessoas botam suas mochilas nas costas e até trabalham durante a viagem para prolongar os dias da, para muitos, realização de um sonho!Como eles escolhem pra onde ir?
Eles procuram destinos associados a acontecimentos históricos, museus, vilarejos, castelos ou fortalezas; querem provar comidas e bebidas locais; buscam ver arquitetura marcante, conhecer ofícios tradicionais, visitar locais de produção de artesanato, assistir teatro típico, descobrir músicas e instrumentos diferentes, aprender ao menos um pouco do idioma nativo, conhecer locais religiosos (inclusive diferentes e contrários às suas crenças), passear por mercados públicos, ter contato com folclore, praticar ecoturismo e vivenciar tudo mais que tenha origem na cultura da localidade visitada, não importando se é um destino urbano, ecológico ou remoto.

O que levar na mochila?
O tamanho vai depender para o que e quanto tempo usará. O modelo é uma questão de gosto. Acessórios para camping caso acampe (barraca, talheres, prato e copo, panela e N coisas disponíveis no mercado – vai depender do “grau de conforto” que pretende ter no acampamento).
Produtos de higiene pessoal, protetor solar, repelente, os remédios (paliativos ou não) que costuma tomar quando tem algum problema como dores de cabeça, estômago, barriga etc. Filme e máquina fotográfica e tudo que ache que precisará e não lhe atrapalhará durante a viagem.O que fazer quando chegar em uma cidade?
Um número considerável de pessoas faz o roteiro apertado, tentando conhecer o máximo que pode no tempo q tem disponível (na Europa isso é mais intenso ainda…), mas as vezes esquecemos de um fator chamado Inércia Inicial.
Inércia inicial é o tempo gasto desde a chegada até estarmos devidamente prontos para passear ou fazer o que quisermos, em uma cidade.

Quando vc chega numa determinada cidade:
1- Se for de avião, tem que esperar na fila da imigração e depois pegar sua bagagem. De trem o tempo é menor, pois já sai com suas bagagens e não tem imigração.
2- Pegar informações sobre onde fica seu albergue/hotel e como se faz para chegar a ele (qual ônibus, metrô etc).
3- Ir até o ponto e esperar o coletivo. Se vc for de táxi, perde menos tempo (mas mochileiros não costumam fazê-lo).A distância dos aeroportos aos centros das cidades é grande, normalmente, então gasta-se mais tempo que de trem, pois as estações de trem, geralmente são nos centros ou próximas deles.
4- Se vc não tiver dinheiro local, terá que fazer câmbio (nos aeroportos e estações de trem o câmbio é pior. No guichê de informações turísticas eles podem te dizer onde há um câmbio q pague melhor).
5- Chegando em seu albergue/hotel, deve-se fazer check in, então acomodar suas coisas.Aí sim vc estará pronto para passear ou fazer o que quiser.Lembre-se que vc não conhece nada, então um simples ponto de ônibus pode ser difícil de ser encontrado, assim como a rua ou o número do seu albergue (mesmo com mapa).O tempo que demora tudo isso varia muito, no geral, algumas horas. Durante o descrito acima dá fome, então podemos colocar mais um tempinho para comer.
O que quero dizer é:Desde que vc chega numa cidade até estar pronto pra passear, vc gasta um bom tempo. Muitas pessoas subestimam esse tempo e aí criam roteiros que são muito difíceis de serem executados (as vezes impossíveis).

compartilhe com os amigos COMENTE!

  • Doc Martens
  • Moda para Copiar: Kate Middleton
  • Fluorescente, Neon, Fluor
  • Deixe seu comentário

    29 de setembro de 2009

    ECOLÓGICOS

    Amazônia
    Na Amazônia uma coisa que não pode faltar no seu roteiro é uma visita a um hotel de selva. Considerado uma forma correta de explorar os recursos da região, o turismo ecológico vem se firmando como a melhor alernativa para a Amazônia. Nestes hotéis é possível alimentar animais selvagens na própria mão: quatis, macacos e araras vêm se banquetear com os turistas. Preço: 5 dias e 4 noites, custa em média R$1.418,00. Incluindo transporte aéreo ida e volta (Via Manaus),traslado: aeroporto / hotel / aeroporto, hospedagem e passeio pelos principais pontos turísticos da cidade.Cataratas do Iguaçu
    A palavra Iguaçu significa “água grande”, na etimologia tupi-guarani. As Cataratas são formadas pelas quedas do rio Iguaçu. Dezoito quilômetros antes de juntar-se ao rio Paraná, o Iguaçu vence um desnível do terreno e se precipita em quedas de 65 m de altura em média, numa largura de 2780 m. Sua formação geológica data de aproximadamente 150 milhões de anosPreço: 4 dias e 3 noites, custa em média R$ R$1.078,00. Incluindo Incluindo transporte aéreo ida e volta (Via Manaus),traslado: aeroporto / hotel / aeroporto, hospedagem, Passeio às Cataratas – Lado Brasileiro (sem ingresso), visita panorâmica à Hidrelétrica de Itaipu Binacional (com ingresso) e transporte gratuito ao Dutty Free Shop (Argentina).
    ATENÇÃO BRASILEIROS – DOCUMENTOS NECESSÁRIOS:
    Carteira de Identidade, emitida pela Polícia Civil com prazo máximo de dez anos de emissão ou passaporte com validade vigente. Para menores de 18 anos, além de um dos documentos acima, também é necessária autorização dos pais, se viajar desacompanhado. Caso estiver acompanhado de apenas um dos pais, é necessária autorização do outro.Chapada Diamantina
    Precedendo a história colonial brasileira, a passagem do homem pré-histórico na Bahia está registrada em sítios arqueológicos onde se destacam painéis de pinturas rupestres. Existem hoje na Chapada Diamantina cerca de 65 sítios com pinturas rupestres cadastrados por estudiosos. Por meio destas representações pictóricas, é possível identificar desenhos da flora e fauna, além do cotidiano dos mais antigos habitantes da região. Preço: 8 dias e 7 noites, custa em média R$ 2.348,00. Incluindo Incluindo transporte aéreo ida e volta (Via Manaus),traslado: aeroporto / hotel / aeroporto, hospedagem,passeios aos principais pontos turísticos da Chapada visitando Rio Lençóis, Ribeirão do Meio, Poço do Diabo, Morro do Pai Inácio, Gruta da Pratinha, Gruta Azul, Gruta da Lapa Doce, Cachoeira da Donana, Projeto Sempre Viva, Cachoeira da Piabinha, Mucugê, Cachoeira do Buracão e passeio na Cidade de Lençóis.EU TIVE COMO BASE OS PREÇOS DA AGÊNCIA CVC http://www.cvc.com.br

    compartilhe com os amigos COMENTE!

  • Foto tutorial: Listradinho super fácil
  • T-shirts + Lenço?
  • Transparência
  • Deixe seu comentário