5 de novembro de 2009

Além de blusas, calças e sapatos, tendência aparece até em perfume e maquiagem. Segue em alta no verão.
Fofos, os laços podem vir para arrematar pontas de faixas ou cordões de tecido, reguláveis de acordo com o freguês; ou prontos, normalmente em acessórios, para dar o toque final a sandálias e sapatilhas, em broches, presilhas de cabelo, cintos até em perfumes e maquiagem.
Lacinhos com cara retrô apareceram enfeitando, decorando e arrematando golas, vestidos,casaquinhos, maiôs, biquínis,bolsas, sapatos e acessórios para o cabelo. Pequenos ou grandes, em diferentes formas e estilos.
Estampa de laço
A estampa de laço é mega fofa e por isso é preciso tomar cuidado para não deixar o look girlie demais ao usá-la. Uma opção é optar por tons neutros, ou então em uma forma mais moderninha.
Acessórios de laço
O cinto com lacinho é um coringa que pode levar a produção do chique ao descontraído (também fica legal com uma t-shirt branca, por exemplo), enquanto a bolsa carteira em formato de laço aparece como uma forma sutil de apostar nos laços!

Já se muito grandes, eles podem achatar a silhueta e te dar volume em partes não muito favoráveis do corpo.

compartilhe com os amigos COMENTE!

  • Pin-Ups
  • Caspa
  • Look do dia: Tudo arrumadinho
  • 4 de novembro de 2009
    Estudar moda no exterior?
    Morar fora do país de origem significa disposição para destrinchar uma nova cultura, outra língua (na maioria das vezes), costumes, modos de vida e até mesmo diferentes formas de ensino e aprendizado. Disponibilidade para vencer estranhamentos, aprender muito mais do que as disciplinas do curso, superar dificuldades de percurso – provavelmente bem diferentes dos problemas que se enfrenta “em casa” – é o mínimo necessário para começar a pensar e fazer planos. Os próximos passos são: conferir as finanças e fazer muita pesquisa e contatos, para que as decisões sejam as mais certeiras possíveis
    Londres é uma das cidades mais procuradas por estrangeiros, em diversas áreas profissionais, especialmente em campos ligados à moda, design e arte. E por ter tradição universitária, não apenas a capital, mas vários pontos britânicos recebem, anualmente, inúmeros estudantes.
    Para acessar informações das escolas, o melhor é mesmo entrar em contato diretamente com elas. A maioria possui websites, além de serviço de atendimento e pode responder dúvidas e detalhes específicos de cada caso e demanda. Além disso, acessar estes serviços é um bom teste para o inglês… Sim, a maioria das Universidades de graduação ou cursos temporários não exige exames pesados de proeficiência e oferece cursos paralelos de inglês, mas, é preciso saber se virar e ter conhecimento básico na área escolhida.
    Precisa saber desenhar?
    O desenho de moda é uma atividade que fascina e também assusta muitos interessados em trabalhar com criação de moda. E se engana quem pensa que jamais conseguirá fazer algo do tipo. Realmente, só não se aprende a desenhar se não quiser, pois o desenho de moda assim como qualquer outra atividade se aprende fazendo e a habilidade vem com a prática.

    Qual a importancia do desenho?
    É através do desenho que o criador irá expressar suas idéias e suas propostas de criação, o que acaba tornando o desenho uma ferramenta de comunicação.
    O desenho pode ser interpretado também como um projeto que apresenta várias informações sobre o produto a ser confeccionado, como caimento do tecido, tipos de materiais utilizados, cores, aviamentos etc.
    O que é croqui?
    O croqui é um tipo de desenho rápido que tem por finalidade representar uma proposta de produto de moda antes de ser confeccionado. Por este motivo antes do croqui ser feito é necessário muita pesquisa, seja para entender o público para quem se está criando, seja para buscar os materiais com os quais se pretende trabalhar. Pois é através do croqui que o criador poderá representar várias características que representam quem será este consumidor, como por exemplo, sexo, idade, estilo, classe social etc.

    E desenho tecnico?
    Já o desenho técnico de moda é um tipo de desenho descritivo, praticamente um “mapa” do produto a ser confeccionado, neste desenho são apresentados todos os detalhes de cada peça e geralmente não há o uso de cores. O desenho técnico representa apenas a peça a ser confeccionada, não havendo a necessidade do corpo ser apresentado. O objetivo deste tipo de desenho é demonstrar o produto de moda de forma clara e objetiva facilitando sua reprodução exata em escala industrial.
    Os desenhos tem que ser feitos a mão livre?
    Para quem busca praticidade e agilidade na criação de seus desenhos, não necessariamente tenha que fazê-los à mão livre. Pois existem vários programas de computador (softwares) disponíveis no mercado que auxiliam muito na criação de moda, sendo que já existem empresas que desenvolvem programas específicos para esta indústria. E a exemplo disso se pode citar o caso dos desenhos técnicos que na grande maioria das vezes são feitos diretamente através do uso do computador.
    É evidente que algumas pessoas possuem mais facilidade para desenhar do que outras, mas o importante é frisar que “ninguém nasce sabendo”. Tudo se aprende, assim como aprendemos a falar, aprendemos a andar e com o desenho não é diferente, neste caso, literalmente “é errando que se aprende”.
    10 maneiras de trabalhar com moda

    1) Gerente de marketing – Cuida da marca
    Ele é o responsável pela imagem de uma marca. Quer dizer que, se o gerente de marketing acreditar que rock n roll é o que pega as meninas, toda a marca vai trabalhar para ter uma imagem bem roquinho. Pra chegar a essa conclusão, ele deve estudar o consumidor que pretende atingir, analisar o mercado e, então, definir todas as estratégias de venda e comunicação com esse público.
    Como chegar lá: para trabalhar nessa função, vale fazer faculdade de marketing, administração ou negócios da moda. Se quiser ter destaque e complementar a formação, é legal investir em alguns outros cursos, como o de gestão em moda.
    2) Modelista – Constrói a roupa
    Ele transforma os desenhos do estilista em peças prontas. Assim que termina a criação, o modelista constrói a primera peça (também chamada de piloto) no papel ou num programa de computador. Depois da aprovação, ele adapta os moldes às mais variadas numerações. Apesar de esse trabalho parecer menos glamouroso, o salário do modelista é geralmente maior que o do estilista.
    Como chegar lá: a faculdade, nesse caso, é de modelagem. Mas também existem cursos livres.
    3) Fotógrafo – Retrata a moda

    Ser fotógrafo de moda não se resume apenas em clicar modelos. Precisa de conhecimento técnico, como iluminação, composição de imagem, técnicas de trabalho corporal e um bom diálogo com o modelo e com o cliente – é muito importante haver química entre todos os integrantes da equipe. O fotógrafo precisa estar sempre atualizado. Faz parte do trabalho ver livros, revistas e sites de moda, além de aprender a mexer no Photoshop.
    Como chegar lá: já existe curso superior de fotografia. Outro jeito de começar é virar assistente de um fotógrafo de moda bem experiente – quase sempre sem remuneração nenhuma. Ainda existem cursos livres e técnicos.
    4) Comprador – Faz as pesquisas e as compras
    Parece o trabalho dos sonhos (imagina passar o dia fazendo compras!), mas um comprador é mais do que isso: ele escolhe e adquire o tecido mais legal para a nova coleção, a T-shirt que a multimarca deve vender e o zíper ideal para o jeans. Pra isso, visita fornecedores e feiras de moda – sempre de olho nas novidades e no público da marca, claro.
    Como chegar lá: depois da faculdade de moda, precisa se especializar em negócios. Se fez administração, deve fazer um curso de comprador.
    5) Estilista – cria as coleções
    Quando falamos de estilista, pensamos num mundo de glamour e possibilidade de criar peças inusitadas, certo? Errado. Antes de criar, o estilista rala muito. Define um tema para a coleção, faz pesquisas de formas, cores e materiais que serão usados e aprova a peça piloto. “Eu usaria minha coleção toda. Mas será que os outros também?”, questiona a estilista Mellina Nunes, 21 anos. Estar antenado com os desejos do seu público é fundamental para ter sucesso.
    Como chegar lá: é importante fazer curso superior em moda e buscar cursos de aperfeiçoamento após a graduação.
    6) Stylist e produtor de moda – Juntos, produzem desfiles, campanhas e editoriais de moda
    O stylist é quem dá a cara da coleção. Por exemplo: a blusa que o estilista criou pode ser usada de muitos jeitos. Ele define qual é a maneira que tem mais a ver com a marca e com a coleção. Isso vale para desfiles, campanhas e editoriais de moda. Já o produtor realiza as idéias do stylist. Ele corre atrás das peças e de tudo que é necessário pra deixar o resultado incrível. Fica responsável pelos objetos emprestados e deve ter boas relações com as marcas.
    Como chega lá: a faculdade de moda ajuda, mas você pode até começar antes. Tem que estudar muito a história da moda e da arte.
    7) Jornalista de moda – Opina e informa
    Ele pode escrever sobre tudo que tem relação com a área: produção de tecidos, desfiles, aspectos econômicos. Precisa estar por dentro de tudo que está acontecendo pelo mundo e saber das tendências atuais, além de ter uma ampla bagagem sobre o que já foi tendência no passado para poder opinar e criticar. Pode trabalhar em jornal, revista e site, num programa de televisão ou como assessor de imprensa.
    Como chegar lá: tem que fazer faculdade de jornalismo. Depois, pode especializar-se em cursos livres, faculdade e mesmo pósgraduação em moda.
    8) Consultor de imagem – Ensina a vestir
    Sabe aquela sensação de “nada fica bem em mim!”? O consultor de imagem é um tipo de “gurú” que surgiu para acabar com esse problema. Ele lida com todos os aspectos da imagem pessoal: tipo físico, cores, imagem profissional, etiqueta e linguagem corporal. Além de orientar, também ajuda o cliente a descobrir seu próprio estilo e ter mais auto-estima.
    Como chegar lá: como não existe curso superior, os cursos livres de consultoria de imagem e análise de cores oferecem a formação básica para começar a trabalhar nesse mercado.
    9) Figurinista – Veste famosos e personagens
    Ele cria os looks que definem o estilo de um personagem ou de um apresentador, por exemplo. Atua em publicidade, cinema, teatro, novela e programas de tevê. Andréia Tuyama, 22 anos, é assistente de figurino e trabalha com os 21 VJs da MTV. Para montar as produções, faz muita pesquisa. “Gosto de ler blogs e sites sobre o assunto. Vejo muitas revistas de moda, nacionais e internacionais. Elas são os meus livros”, comenta.
    Como chegar lá: o ideal é fazer faculdade de moda. Também é importante estudar história da moda, entender sobre consultoria de imagem e procurar cursos livres para se especializar em figurino.
    10) Engenheiro têxtil – Cria e desenvolve os tecidos
    Estampas lindas e tecidos que não amassam causam empolgação nos desfiles. Poucos sabem que antes do trabalho do estilista vem o do engenheiro têxtil. Sim, existe engenharia no mundo da moda. Esse profissional participa do processo de produção do tecido, desde o desenvolvimento do fio até o tingimento e acabamento. Ainda atua em engenharia industrial, manutenção, produção e controle de qualidade. Tatiana Bono, 23 anos, analisa tecidos que chegam para o corte. Faz testes de encolhimento, lavagem e gramatura. Ela caiu nesse mundo por acaso. Começou na empresa como telefonista e ganhou uma chance de mudar de área. “Estou adorando. Quero prestar vestibular para engenharia.”
    Livros bons de ler pra quem vai fazer moda
    Fundamentos de Design de Moda
    Este livro é uma espécie de guia para quem quer entrar no mundo fashion. Ele revela os principais elementos do design de uma coleção do conceito à criação tridimensional.
    Editora: Bookman
    Autores: Jenny Udale; Richard Sorger
    Preço: R$ 89
    Design de Moda: olhares diversos
    Esta obra, a primeira publicação do gênero no Brasil, apresenta ao leitor diferentes olhares sobre o design de moda e suas diferentes etapas, conexões, inter-relações e imbricações. Os textos nela compilados auxiliam a compreender as múltiplas dimensões do design e justificam a necessidade de serem desenvolvidas ações estratégicas para consolidá-lo na moda brasileira.
    Editora: Estação das Letras e das Cores
    Organizadora: Doroteia Pires
    Preço: R$ 46
    Moda – Um Curso Prático e Essencial
    Você quer saber quem criou a mini-saia? Ou quem tornou o baby-doll famoso? Existe uma históra sobre todas as roupas, com o livro Moda – Um Curso Prático e Essencial, você vai conhecer todas essas histórias.
    Com mais de 300 itens de guarda-roupa ilustrados, com dicas de uso e informações sobre os designers, a influência das épocas e as preferências de celebridades.
    Editora: Marco Zero
    Autor: Erika Stalder
    Preço: R $54
    compartilhe com os amigos COMENTE!

  • ACERTE NO DELINEADOR
  • Fique de olho: Shirt Dress
  • Em alta: Decorativismo
  • 4 de novembro de 2009

    Bom, o Vini me ajudou (denovo! meu Deus, daqui a pouco ele tá postando aqui comigo hahahaha) e deu a (excelente) ideia de postar sobre a faculdade de moda. Sim, é o que eu pretendo fazer, mas nunca tinha pensado em postar aqui. Provavelmente eu vá dividir esse post em dois, mas vamos lá!

    Moda é uma das áreas do design que tem como objetivo o desenvolvimento de vestuários humanos respeitando todas as características culturais, técnicas, mercadológicas, de moda ou tendências.
    Para quem quer ingressar em moda

    Especializar-se é extremamente importante. Não basta aprender a costurar, saber desenhar ou vestir-se na crista da onda. Esse mercado, assim como o de qualquer atividade profissional, também requer muito estudo e um acompanhamento permanente das suas tendências, exigindo de seus profissionais uma postura criativa acurada, de forma a possibilitar que as novas coleções possam vir a obter êxito.
    Portanto, o profissional que pretenda ingressar nesse mercado deve preparar-se e saber, desde já, que moda não é apenas o glamour que vemos nas revistas ou a que assistimos pela televisão e em desfiles.
    Tempo de Faculdade
    Moda no Brasil
    Com a propagação das semanas da moda – as fashion weeks – em todo o território nacional, começaram a surgir novos empresários, modelos, estilistas e modelistas.
    O País está despontando no setor da moda, que deixou de ser um espaço para amadores ou aventureiros – muito embora, presentemente, um bom estilista ou modelista, por exemplo, raramente possua formação superior na área.
    Estilistas, modelistas e produtores vêm sendo contratados para dar uma feição nova a uma simples camiseta, a uma calça jeans ou a um catálogo de moda. Este é, portanto, um mercado promissor e que possibilita, ainda, que do processo por ele gerado participe, também, um vasto elenco de profissionais não diretamente ligados à área.
    Vagas para atividades relacionadas
    As cifras que envolvem diretamente o mundo da moda criam uma infinidade de oportunidades para os profissionais que, direta ou indiretamente, atuam nesse mercado.
    Não somente o estilista, a modelista, a consultora de moda, as costureiras, as bordadeiras etc se beneficiam dessa atividade, como também os fotógrafos e os desenhistas gráficos – com a confecção de catálogos –, os profissionais das têxteis e das estamparias – com o desenvolvimento de novos tecidos, padronagens e texturas –, os das agências de propaganda e de pesquisa de opinião, assim como os organizadores de eventos e os professores dos cursos técnicos e de graduação, dentre outros.
    Homens na área
    Para quem pensa que no ramo só há espaço para as mulheres está enganado. “Os estilistas e produtores mais reconhecidos no mundo da moda são homens”, se defende o produtor, Manoel Barros, que investiu na área e hoje é um dos destaques promissores na região.
    O rapaz, de apenas 22 anos, diz que o mercado absorve muito bem os homens no setor, apesar da idéia de moda estar associada à figura feminina. “A família e a sociedade é que discriminam”, explica. No entanto, Manoel utilizou duas ferramentas importantes para ganhar o reconhecimento na cidade: o estudo e a experiência na área.

    compartilhe com os amigos COMENTE!

  • Hidratação com café
  • Decepção com youtubers, medrosa, signos e etc | 20 fatos sobre mim!
  • Eu testei: Recondicionador Color, Raiz Latina
  • 3 de novembro de 2009

    Saia lápis: é a saia que afunila desde a cintura até o quadril e as coxas. Como ela é mais justa do que os outros modelos, fica mais legal em quem tá com tudo em cima.

    História
    Elas surgiram em meados dos anos 1950 e logo se tornaram um clássico do guarda-roupa feminino. Sensuais, discretas e, acima de tudo, elegantes, as saias lápis são freqüentemente associadas a mulheres poderosas. Parte dessa fama se deve ao cinema francês da época, com suas heroínas bem-vestidas, geralmente adeptas do modelo. No Brasil, a peça foi amplamente adotada na década de 1960, complementada com escarpins e twin-sets. Durante a última São Paulo Fashion Week, apareceu em versões ousadas, combinada com tops curtos.

    Como Usar
    • Sapatos de saltos altos são perfeitos para deixar o visual ainda mais elegante e feminino
    • A versão atual do modelo aparece nas passarelas em comprimento um pouco acima dos joelhos
    • Malhas ou outros tecidos com elastano dispensam a tradicional fenda na parte de trás da saia
    compartilhe com os amigos COMENTE!

  • Inverno 2012 by Fashion Rio #4 e #5
  • Alerta Cor #7: Púrpura
  • Como usar babosa no cabelo?!